sexta-feira, 7 de agosto de 2015

CALMA NOS JULGAMENTOS

                                                 


Sempre gostei daquela passagem da bíblia onde esta escrito "não julgueis para não ser julgados, pois na medida com que julgueis, hão de julgar a vos". Uso isso como um mantra e me policio duramente para não julgar as pessoas de forma leviana.
Uma das coisas mais difíceis de sentir na pele e’ o mau julgamento dos outros em relação a nossa pessoa.

Fácil e’ julgar sem responsabilidade, sem ouvir o outro, sem ponderar e sem se preocupar com o resultado do julgamento como se fosse um Tribunal de Exceção, iguais aqueles da antiga Roma.
Sou uma pessoa com poucos preconceitos, digo poucos, porque não acredito nas pessoas que dizem não serem preconceituosas. Todos somos um pouco, o problema e’ estar atento aos nossos preconceitos e ligar o botão do “desconfiomentro” vez ou outra pra ver se não estamos sendo injustos.
Eu, por exemplo, vivia tirando sarro dos italianos, pra ser honesta os achava ignorantes na forma de ser e muito grosseiros. E não e’ que Deus me colocou pra viver no meio deles? Pra que? Pra pagar a língua, só pode! Mudei minha forma de julga-los? Não sei responder bem ao certo isso, mas passei pelo menos a entendê-los um pouco mais, não totalmente porque não e’ muito fácil. Um dia quem sabe conseguirei entender porque os italianos são passionais, estourados e tudo mais... Mas o fato e’ que aprendi a gostar um bocado daquela “ bella gente”, apesar de seus defeitos! E não posso esquecer que também sou italiana e, portanto carrego uns bons pares dos defeitos deles!
Esta certo que todas as nacionalidades têm as suas peculiaridades: os brasileiros têm as suas, os ingleses as deles, os japoneses também, enfim, as pessoas não são iguais.
Eu estou tentando não fazer julgamentos muito duros na minha vida de expatriada, mas boa parte das vezes sou julgada por aqui também, só’ por ser brasileira. Posso dizer que isso e’ extremamente desagradável. Às vezes não e’ um julgamento explicito, mas um julgamento velado, o que pode ser bem pior.
Aprendi, por exemplo, que não posso ficar rindo não pra todo mundo, senão acabam achando que estou dando mole. Então a regra numero um e’: maneirar no sorriso ( para nos brasileiros não e’ fácil ne’?)
Aprendi também que quando a gente fala que e’ brasileiro, a grande maioria pensa que somos  pobres, desnutridos, sem estudo, banguelos... Alias, no ultimo quesito eu vejo mais banguelos aqui na Europa do que no Brasil, alguém pode me explicar isso?
Tem outra ainda: mulheres brasileiras, por favor, mudem sua postura em relação aos turistas estrangeiros que vão conhecer nosso pais, porque cansei de ouvir aqui que a mulher brasileira e’ fácil. Isso e’ chato de ouvir hein? Porque sabemos que não e’ bem assim, mas por causa de uma minoria, a totalidade fica com a má fama.  Pensem no fato de que quando eles retornam pra cá, são apenas "mais um" levando esnobada da mulherada daqui.
Brasileiro tem mania de achar que gringo e’ melhor, mais rico, mais gentil. Não e’ bem assim, aqui tem de tudo. No geral a educação pode ser um pouco melhor, mas gente ruim tem pra todo lado. Eles têm qualidades, claro, mas no dia a dia são plenos de defeitos também, alguns deles bem difíceis pra nos, brasileiros, entendermos.
No fim da historia, a conclusão e’ a seguinte:
Diferenças culturais, ou seja lá de que tipo, são difíceis de entender. E como disse no inicio do texto, julgar não e’ tarefa fácil.
Respeito e’ bom e todo mundo merece. Mas temos que respeitar primeiro a nos mesmos, nos impormos. Senão, e’ tapa na cara na certa!

terça-feira, 19 de maio de 2015

O QUE O BIG BEN ME DISSE



Caminho a passos lentos ao redor do Parlamento Ingles.
Londres està, como sempre, repleta da mesma solitaria multidao, que lota as ruas no vai e vem frenètico de todos os dias. Os onibus vermelhos de dois andares passam com os mesmos desconhecidos vultos... Os taxis negros, levam as mesmissimas pessoas apressadas. Parece que somente eu ando lentamente pelas ruas.
O cèu ora cinzento, ora azul-timido, emuldura o famoso Big Ben, relogio marco zero do mundo  que carrega o estigma da pontualidade como qualidade maior e que gira os seus negros ponteiros nos fazendo crer que o tempo passa...
O rio Tamisa, que perto dali compoe a paisagem urbana, desfila tranquilamente suas aguas que nunca sao as mesmas, mas que sao imutaveis face ao cenario...
Um vento gelado de inicio de primavera beija o meu rosto. O mesmo vento que tantas outras vezes despentou os meus cabelos, independente de qual  lugar do mundo eu esteja. Parece que ele, o vento, que sempre passa apressado, è o meu unico fiel companheiro.
Paro um momento e fixo o olhar no Big Ben: ele sempre me pareceu tao pequeno nas fotografias!  Vendo-o de perto porem, posso afirmar que è muito maior do que jamais imaginei, indiferente à tudo e a todos, fixado ali apenas para nos mostrar o quao poderoso è o tempo e o quao importante sao os segundos, minutos e horas que nos dedicamos a nossa existencia.
Tempo, qual a sua magia? Serà mesmo verdade que por sua autoria, serao curados todos os males do mundo? Que atravès de voce aprenderemos a viver, a perdoar, a amar? Voce è mesmo, de todos, o melhor mestre?
Enquanto divago e olho o Big Ben, nuvens baixas brincam no cèu, tentando agarrar este velho feiticeiro, como se dizendo que ele, a maquina mais pontual do mundo, nao tivesse o poder de para-las! Ah, Big Ben, qual a graça de contar as horas, se nao pode controla-las? Se o tempo passa sorrateiramente, agindo ao seu bel prazer, contruindo ou destruindo, curando ou adoecendo, deseducando ou instruindo? A resposta nao existe... Apenas mais um minuto è passado e o ponteiro negro do relogio se movimenta, deixando para tràs minhas perguntas sem respostas...
Baixo a cabeça e olho dentro de mim mesma. Lembro de todos os lugares pelos quais eu passei. Detalhes da minha vida que sò cabe a mim conhecer. Nenhum relogio do mundo è capaz de medir a intensidade do que sentimos nessa existencia. Nenhum relogio do mundo nos diz quanto tempo levaremos para aprendermos uma liçao ou se de fato a aprenderemos. Mas afinal entao, para que servem os relogios senao para nos guiarem nos afazeres do dia a dia? E o que è “perder a hora”, quando nao sabemos ao certo qual o momento justo para os principais acontecimentos de nossa vida? Quando devemos nos apaixonar? Casar? Ter filhos? Descobrirmos nossa vocacao?  Por que, voces relogios, nao nos mostram isso?
Volto o olhar para cima. La esta ele, o velho e majestoso Big Ben e seus ponteiros negros que tranquilamente captam algo incaptavel. Nem as nuvens que tentavam agarra-lo estao mais ali, ja se foram... Apenas um pedaço de ceu azul e um resto de luz solar sao as unicas coisas que o ornamentam...
Olho pela ultima vez o Big Ben que desconfiado me retribui o olhar com o movimento de seu ponteiro e me confessa o seu recado: nao è o tempo que passa, nao, nao è... Assim como o vento, as aguas , as nuvens e todos os demais segredos, tambem somos nòs que, distraidos e credulos que o tempo passa, passamos inexoravelmente pelo tempo!
                                      



quarta-feira, 18 de março de 2015

Sem nada pra vestir


 Mulheres do mundo, vamos falar a verdade, quantas vezes abrimos a porta do guarda-roupa e pensamos: nao tenho nada pra vestir!
Nao interessa se o armario ta lotado de roupas, se voce tem 50 blazers, 98 vestidos, 190 camisetas  e por ai vai, simplesmente nao se quer colocar nada e pronto! Falei tudo? Claro que falei.
Hoje foi assim, abri o guarda-roupa e nao achei nada! Nesse um ano de volta a Europa, fiz o favor de engordar 5 quilos, mas pra mim parece 50! Eu me olho no espelho e nao acredito no tamanho das minhas coxas! Da ate vontade de chorar. Ja sei que vao me dizer que 5 quilos nem è tanto assim! Minha amiga ja me disse isso, que ela precisa perder 15 quilos e que è para eu parar de reclamar, mas consigo? Nao nè?
Por que nòs mulheres somos assim? Tao cheia de dramaticidade? Eu nao poderia levar numa boa o fato de ter engordado 5 quilos? Ou o fato de que eu tenho sim muitas roupas e sò estou cansada de olhar para elas? Sabem o pior? Que quando entro nas lojas nao quero comprar nada porque penso que vou perder meus 5 quilos e portanto aquelas roupas vao ficar largas logo mais em mim!
Mas a dura realidade è que, depois de dois meses de ademia e nadando feito uma maluca, nao perdi um grama, alias ganhei 2 kilos! Ou seja, pra quem entrou na Academia querendo perder 3 quilos, agora tenho que perder 5!!! Ja andei lendo que musculo pesa mais do que gordura... mas sera o Benedito? Porque eu nao sei onde è que estao estes musculos! Eu olho pra minha barriga e acho atè que ela ta mais gordinha isso sim... E quanto as minhas pernas e bunda, isso nem è bom falar! Sera que se eu cortar o cabelo vou ficar mais leve na balança?
Eu, que sempre fui uma magrela, agora to me vendo com trauma de balança! Que saco isso! Mas voltando no guarda-roupa, o que pode uma pessoa que ta querendo perder 5 quilos comprar? Quantos manequins isso representa em termos de medidas? Sera que 5 quilos diminiu um manequim, tipo to usando 42 entao vou usar 40?
Hoje, quando experimentei um vestido que comprei aqui no verao passado e que è larguinho, quase enfartei, porque achei que fiquei ainda mais gorda com aquilo. Ou seja, gordos nao podem comprar roupas largas nè? Senao fica parecendo mais gordos!
Ah, ja sei que vao falar que nao sou gorda. Eu sei que nao sou gorda. Eu TO gorda para os meus padroes, da pra entender?
Enquanto nao resolvo essa pendencia com a balança, nao sei o que faco com o meu guarda-roupa... Acho que vou usar tudo o que tenho de melhor a qualquer hora do dia e na hora que me der na telha, sera isso? Acho que sim, amanha mesmo acho que vou vestir minha calça cor-de -rosa, com alguma blusinha da hora e vou usar minhas bijuterias melhores. Bijuterias chamam mais a atencao pra quem ta gordinha? Ou nao?
Olha sò, tao vendo? Nem bijuterias eu tenho pra vestir!
Ser mulher nao è facil! Ja to com saudades de quando eu era magrela! Pelo menos eu era magrela sempre e nao ficava nessa gangorra... Pensando bem, nao era tao bom assim ser magrela, mas... 5 quilos a menos vai ser bom hein?  O jeito vai ser perde-los. Bunda e coxas: Ame-as ou deixe-as!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Que 50 tons de cinza o que! Eu prefiro Cinderella!


Toda a mulherada aloprada para ver 50 tons de cinza no cinema e eu... esperando pra ver a estrèia de Cinderella! Serei normal?
Bom... partindo do principio que o garotao do livro se chama Cristian Grey eu ainda prefiro o Principe encantado!
Bons tempos aqueles que eu achava que a Fada Madrinha ia aparecer e resolver tudo! Bons tempos aqueles que eu queria ter um sapatinho de cristal!
No fim das contas eu quero mesmo è ser como o Peter Pan e nao crescer nunca mais, pois crescer è chato e è pra sempre...
Agora è esperar, março ja ja tai ai e eu vou ver Cinderella no cinema... embora eu acho que a versao em italiano vai ser bem melhor!!! :D

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Selfie è coisa de gente solitaria


Se tem uma coisa que eu tenho absoluta certeza absoluta è que os "selfies", fotos que a gente tira da gente mesmo, è coisa de gente solitaria! Explico: O tempo da minha vida que mais passei sozinha, sem ter ninguem pra conversar, foi quando eu me mudei para a Italia. Nao falava patavina do italiano e tinha que olhar da casa e do meu filho, entao com 5 anos de idade. E dai? Dai que nao tinha meu trabalho, que tinha deixado no Brasil, nao tinha minhas amigas e muito menos minha familia pra ficar de conversa, ja que naqueles tempos , 2006 ( ta bom, ja sei, nem faz tannnnnnnnto tempo assim) nao tinha essa facilidade de internet tao veloz ( pelo menos la no Brasil) e pra conversar no MSN ( lembra disso?), era uma vida...
Entao, na falta absoluta do que fazer eu fotografava. Fotografava tudo! Tenho foto atè do banheiro de casa! Foto do meu filho em todas as poses possiveis, fotos do meu marido dormindo! Foto da cidade que morava em todos os seus cantos e suas cabines telefonicas; fotos das viagens que fazia, objetos... atè que o dia na falta do que fotografar, fotografei EU MESMA no espelho! E depois dessa primeira foto fiz tantas fotos de mim mesma que perdi as contas!
Se estava em Veneza e ninguem tirava uma foto de mim, eu mesma fazia! E olha que eu ainda nao tinha celular que invertia a camera! Era no " zoiometro" mesmo! Hoje olhando as fotos, me mato de rir! Tem foto que saiu sò o meu braço e a estatua do Shakespeare em Verona... Tem foto sò do meu nariz na Piazza Spagna em Roma, tem foto sò do meu cabelo em Padova, do meu pescoço em Londres... Tem atè foto de metade da minha cara em Stonehenge aqui na Inglaterra!
Se tem uma coisa que aprendi com os "selfies" foi achar o meu melhor angulo! Por exemplo, ja sei que se viro o rosto fico com o nariz muito maior do que ele ja è e isso definitivamente nao è legal! Foto de lado entao? Nem pensar, sò da a orelha! Cabelo preso ou solto? Depende da iluminacao! Alias iluminaçao è tudo numa "selfie", tanto que inventaram nos celulares novos uns " trocentos" tipos de filtros que è justamente pra acertar e sumir com tudo que sai feio na foto.
Alguns dizem que " selfie" è coisa de narcisista... Discordo totalmente! Eu nao sou narcisista! Nao tenho paciencia para espelhos e nem creme na cara eu quase passo! E agora  que nao ando tendo tempo pra nada pois ja saio correndo logo cedo pra dar conta de um monte de coisa que tenho pra fazer, pergunta se faço selfies? Quando muito faço quando estou com o meu filho ou passeando e nao acho um Cristo pra tirar foto de mim em algum ponto pitoresco.
Depois de anos de pratica e poder inverter a camera, agora nao tem mais essa de sair sò a orelha ou o nariz na foto! Alias, essa historia de " pau de selfie" francamente... Nao acho necessario! Fica horrivel aquele pau na foto!Sera que ninguem pensou em faze-lo pelo menos transparente, ja que invisivel nao da?
Outra "selfie"  muito engraçada è aquela feita com a camera do computador. Ja reparou? Sao as mais divertidas! Eu tenho um amigo italiano e advogado que colocou um terno,deu um sorrisao amarelo pro computador e clicou a propria foto. Nem pensou e colocou a foto là no seu perfil do Facebook. Se ele queria que a foto tivesse muitas "curtidas", ele conseguiu! Foram milhares!E os comentarios e as tiraçoes de sarros ultrapassaram o limite da diversao!
Entao a moral da historia è a seguinte: Se voce anda tirando mais " selfies" do que è necessario ( se è que se pode chamar isso de necessario), reveja sua vida! Essa coisa de tirar foto e postar o dia todo nas redes sociais, por exemplo, fica atè esquisito! Selfie demais è pura solidao e isto nao quer dizer que voce esteja isolado do mundo ( o que era o meu caso inicialmente). Quer dizer unicamente que è necessario dar um jeito na vida... Olhar mais para fora de si mesmo. Estudar mais, ler, escrever, passear, encontrar pessoas e esquecer-se... Esquecer-se è o começo do fim da solidao! Good luck!